07 luglio 2006


BARRACO ACÚSTICO AO VIVO NO CHIODO FISSO, ALI ATRÁS DO PALAZZO VECCHIO
A Rita, o João e o Roger já sabem. Mas vocês ainda não. Domingo querem vir ao concerto do Barraco acústico, no Chiodo Fisso, via dell'anguillara? A pequena adega do Andrea transformada em bar, e com um gosto refinado, diga-se, abre todos os domingos para nós. Portugueses, brasileiros, italianos, espanhóis, alemães, e todos os que quiserem vir. Das colunas, uma das quais bem perto do meu ouvido, sai um som vindo do outro lado do Atlântico. Cantado em português. Já houve berimbau, mas ainda se ouve guitarras, violino, voz, percussão e gaita de beiços.
O Beto e o Scan foram-me apresentados há mais de um mês em Santa Croce. Tinham chegado de São Paulo nesse dia. No Brasil deixaram o design para trás, e depois de um ano tocar "pra galera" decidiram viver em Itália, de onde partiram, há muitos anos atrás, os seus antepassados. E de preferência como músicos. Na semana seguinte montei a parte do violino do telhado da via Cavour e no domingo estávamos a tocar. Foi uma noite linda. E assim tem sido. Desde há um mês. É um momento de reunião de muitos amigos meus. Vejos-os ali. A divertirem-se. Ou simplesmente a ouvir. Desta maneira tenho revisto tanta gente. Do curso de italiano, do curso de medicina, das festas, dos passeios, das noites ao ar livre...
A Rita, o João e o Rogério deram uma mão. Foi há duas semanas, se me lembro. Ouvi-se Jorge Palma, Ornatos Violeta e Dave Matthews no intervalo. A Lica adorou. Um abraço para vocês.
E quanto ao resto, apareçam, se puderem. Via dell'Aguillara, 70. Às 23h.

06 giugno 2006




ELBA
A viagem de Piombino, na costa toscana, a Porto Azzuro, em Elba, faz recordar aquilo que terá sido a deportação de Napoleão, em Maio, mas de 1814. Aqui viveu durante 9 meses, onde partiu rumo a Paris para reconquistar o poder. Mas foi derrotado na famosa baltalha de Waterloo em Junho de 1815. Dizia eu que a viagem, aparte o barco hoje movido a motor, faz recuar a esses tempos. Tempos de definição geo-política europeia. Pelas ilhas selvagens, pelos aves que me giravam em torno, pela vegetação verdejante e inóspita.
Em Porto Azzuro passou-nos pela cabeça a ideia mais iluminada destes dias. A de alugar bicicletas para nos deslocarmos ali. Dito e feito. Ao fim da tarde chegamos à outra ponta para um merecido repouso, depois de um longo caminho que terminava com 4km a subir. Do lado sul da ilha avistava-se a ilha de Monte Cristo, que serviu de inspiração a Alexandre Dumas. Recordo-me de seguir apaixonado a mini-série "O Conde de Monte Cristo" com Gerard Depardieu e Ornella Muti. E qual o meu espanto, quando a vejo, diante dos meus olhos, ali, vejo a ilha de Monte Cristo.
O dia, no entanto, estava ainda longe de acabar. Apesar do cansaço físico, e mesmo depois de tanta boa disposição, ainda tivémos pedalada para dançar numa festa popular em Secchetto. Nada sabíamos desta festa. Encontrámo-la por mero acaso. Gente dali, daquela terra longe de tudo, mas cheia de hospitalidade. Dançar com os velhotes música pimba é uma experiência que todos nós já passámos, nalgum dia de Agosto da nossa vida quando se volta à terrinha e se encontram os emigrantes (como eu). Mas dançar o "Dime la verità" com os velhotes de Secchetto é único. Juro-vos...

30 maggio 2006






LAGO PUCCINI
Sinceramente não sei por onde começar para vos contar uma das melhores viagens que fiz em Itália. Tudo começou com uma mensagem que mandei à Ângela, na noite de sexta, a dizer que nos encontravamos na estação, bem cedo, às 9h00. Éramos 4. Passámos o dia no lago onde Giacomo Puccini habitou e se inspirou para compor opéras como a Madamme Butterfly ou a Bohème.
Fomos para a praia, onde, com um elemento a menos por desistência da Lucia, se passou um fim de tarde para recordar. Assim terminámos o dia, com o corpo e ânima restabelecidos após um banho no mediterrâneo.
No entanto, o melhor estava para vir...

19 maggio 2006

NÃO SE PREOCUPEM. ESTOU VIVO E BEM DE SAÚDE! (pelo menos até às 19h04 do dia 19 de Maio de 2006)
Passou mais de um mês sem dar notícias. Estive entretido, entre livros e viagens, mais com estas que com aqueles, para dizer a verdade. Nem me lembro bem de tudo o que fiz. Procuro exercitar o músculo da memória... Não consigo. Vou-me dopar. Não resisto. Dou uma olhadela pelas fotos. Ah...
Nestes dias consumi compulsivamente arte na minha cidade com a Joana (minha irmã) e o Nuno ("meu irmão") , vi o Prodi ganhar as eleições de 12 de Abril quando tocava o bar Eskimo, estive três dias fantásticos nos alpes italianos com a família do meu amigo Diego, recebi o meu primo Filipe e a Poly, passei uma noite fantástica na piazza del Campo em Siena com o meu primo Tiago e seus amigos "palermas", encontrei os meus pais e tios em Roma para uma viagem inesquecível pelo Sul de Itália, vi a maior exposição de sempre do Modigliani em Roma, fiz exames pelo meio, e por fim... passei um fds incrível com amigos ilha de Elba. Tudo isto em pouco mais de um mês. Talvez me percebam agora porque não pude dar-vos notícias primeiro. Mas nos próximos dias vou escrever sobre estas experiências. Únicas e irrepetíveis. Assim se querem. Um beijo a todos (vou tomar um banho e por-me fino, porque vou à ópera: Falstaff de Verdi, dirigido pelo Zubin Mehta)


10 aprile 2006

SONO UN COGLIONE
Falta pouco mais de 1 hora para encerrarem as urnas. Faltam pouco mais de 1 hora para se saber o destino de uma nação. As sondagens dão uma ligeira vantagem a Prodi. Veremos se depois dos votos contados assim será. O sentimento instalado é de desilusão e pessimismo. A economia não cresce e Itália, um dos países do G8, e vê a China como uma ameaça, sobretudo na indústria dos texteis e calçado. E com Berlusconi, a Itália é desconsiderada no estrangeiro.
Os italianos com quem falo votam todos na esquerda. Mas este é um eleitorado especial. Convém lembrar que Itália é um país de velhos, tendencionalmente mais conservadores, e no Sul há muita gente sem instrução. Na Sicília Berlusconi teve uma votação, em 2001, perto de 90%! Mas hoje o tempo é outro. Berlusconi disse que em Itália não havia tantos tomates (coglione) para votarem na esquerda. Coglione, Itália está nas vossas mãos.

02 aprile 2006






CINQUETERRE

"Straniero o italiano

se arrivi da vincino o da lontano

nel mio amato paese

guarda l'azzurro mare infinito

come l'amore del suo creatore,

visita l'antica chiesa

col suo candido e smerlettato rosone,

ascolta il tintinnio delle sue

campane espandersi nell'aria,

a salutare il Dio creatore

Osserva i grappoli dorati

delle verdeggiante vigne,

respira l'antico profumo del mosto,

arrivi, infine, nella terrazza

di S.Maria

lascia scorrere il tuo sguardo,

libera il tuo spirito

e le tue emozioni,

capirai allora

quanto Dio

ha donato al mio paese"

escrito a giz numa rua de Corniglia

25 marzo 2006





FIORENTINA-INTER
Em altura de grandes decisões no campeonato português, que pelos vistos é um dos pouco na oEuropa que mantém alguma dose de imprevisilibilidade, deixo-vos com as fotos do jogo Fiorentina-Inter, que fui ver ao estádio Artemio Franchi, em Florença. Curiosamente, vim a saber que tem uma forma em D, de Duce, pois foi construído na época do Mussolini. Quanto ao resultado, pendeu 2 a 1 para a Fiorentina. Apesar de estar no meio dos tiffosi viole, puxava pelo Figo, que a bem dizer, foi o homem do jogo. Força Figo!